Adílson: “Esses meninos terão um futuro bonito”

Por Jorge Angrisano Santana | Em 6 de julho de 2009

Eis um pouco do que foi dito sobre o Goiás 1×0 Cruzeiro, no Serra Dourada, pela 9ª rodada do Brasileiro, em 05jul09:

  1. “Wilson Mendonça foi bem ao não marcar os dois pênaltis, que os jogadores pediram, ambos inexistentes. Nos dois lances, a bola foi na mão e não o contrário. Mas foi mal ao deixar pra lá uma série de empurrões do Goiás. Quando o Cruzeiro fez o mesmo, ele marcou tudo. Houve pelo menos duas faltas claras sobre o Bernardo não marcadas e outra sobre o Dudu. O jogo foi ruim. A desculpa de ser misto não cola. Esse time tem condições de entrar em campo e jogar. E não foi a meninada que esteve mal. Muitos marmanjos – Ribeiro, Elicarlos e Jancarlos, por exemplo – deram passes para contra-golpes do adversário. Entre os meninos, só Bernardo cometeu este erro.” (Arthur Alvarenga, torcedor do Cruzeiro)
  2. Nem parece que o Diego Renan vem de contusão. Foi quem eu mais gostei de ver contra o Goiás. Em outros jogos ele já havia mostrado uma qualidade rara: sabe usar bem as duas pernas. Inclusive faz cruzamentos com ambas enquanto Jancarlos custa a acertar algum com a direita. Alguns dos experientes, além de não serem melhor opção pra dar tranquilidade aos novatos, foram carregados nas costas por eles. Deve ser duro para Dudu e Diego Renan ter que correr e jogar pra Jancarlos, Rômulo, Tiago Ribeiro e outras nulidades.” (Hugo Serelo, torcedor do Cruzeiro)
  3. “Jogo pavoroso de se ver. O Adílson Baptista pardalou fazendo rodízio de reservas. Uchoa e Luisão haviam jogado muito bem contra o Avaí. Festa vez, não gostei do Vinícius e do Neguete. Estavam perdidos em campo. Dos maduros, Zé Carlos foi horrível, Fabinho jogou uma bolinha de nada, Ribeiro foi patético, Eli Carlos mediano, Anderson não comprometeu, e o podre dos podres, tosco dos toscos, foi Jancarlos. Ele conseguiu errar passes, lançamentos, cabeçadas e, pasmem, cobrança de lateral. Vai ser ruim de bola lá na China. Salvaram-se Andrey, que saiu errado do gol em um escanteio e deixou passar uma bola defensável mas fez pelo menos quatro defesas dificílimas, Diego Renan, que teve o indigesto Vítor pela frente e saiu-se muito bem, e Rômulo, que mostrou muita vontade mas está sem ritmo. Dudu poderia ter entrado desde o começo. É muito mais produtivo que os outros. E Bernardo tornou a me decepcionar. Meio mascaradinho e improdutivo.” (Binho, torcedor do Cruzeiro)
  4. “O Cruzeiro teve o resultado que se esperava ao perder do Goiás, porque só podia mesmo estar voltado para o jogão desta quarta-feira, em La Plata” (Juca Kfouri, em seu blog)
  5. “Em Goiânia, a Raposa colheu sua quinta derrota no Brasileirão, em nove rodadas disputadas. A partida teve 20 minutos de bom futebol e depois pecou no quesito qualidade técnica. Foi um jogo feio, truncado, muito fraco. O Cruzeiro sentiu muito a falta de entrosamento. O time mesclado por reservas e juniores teve imensas dificuldades de criação e não conseguir ligar o meio-campo ao ataque. Fato compreensível, já que os 11 escolhidos por Adílson Batista não estão familiarizados e pouco atuaram juntos. Com o revés, a equipe azul ocupa agora a 13ª colocação da tabela, com 37,04% de aproveitamento. O Foco está mesmo – e corretamente – na decisão do título da Libertadores da América, contra o Estudiantes.” (Leandro Mattos, em sua coluna no Superesportes)
  6. Não importa se o time do Cruzeiro era misto ou não. O que interessa é que vencemos, somamos mais três pontos e estamos próximos do G4.” (Hélio dos Anjos, técnico do Goiás)
  7. “A proposta era neutralizar e ter o contra-ataque. Foram criadas algumas situações, principalmente no começo com o Thiago Ribeiro. No 2º tempo a gente mudou, deixando só o Thiago com dois meias. Acho que a equipe teve volume de jogo melhor. Alguns precisavam sair um pouco para ajudar com uma chegada, mas não dá para cobrar muito. Sentimos o próprio jogo em si, o pouco tempo de trabalho, a mudança de sistema, algumas dificuldades. Mas tem que enaltecer e agradecer o comportamento dos meninos, o esforço, a vontade. Eles jogaram bem, tentaram neutralizar, enfim. Esses meninos terão um futuro bonito.” (Adílson Baptista, treinador do Cruzeiro)
  8. “Eles vieram pra cima no 1º tempo e ofereceram dificuldades, mas Adilson consertou no intervalo e no 2º tempo nós voltamos um pouco melhor, mas infelizmente perdemos. Agora o foco é na Libertadores. Que a gente possa voltar lá da Argentina com um bom resultado e decidir depois na nossa casa.” (Andrey, goleiro do Cruzeiro)
  9. Teve a falta de entrosamento. Foram muitos meninos novos, de muita qualidade, mas é difícil jogar no Serra Dourada até mesmo com o time completo. Sofremos um gol de falta que decidiu a partida. A equipe lutou, o calor foi muito forte. Mesmo sem entrosamento, fizemos boa partida, mas infelizmente, não conseguimos o empate.” (Anderson Beraldo, beque do Cruzeiro)
  10. “Agora é pensar na quarta-feira pra levarmos um resultado positivo para BH. Foi importante dar esse descanso para os atletas que estava atuando há mais tempo. De minha parte, o importante é estar jogando. A cada jogo e a cada treino ganho mais ritmo e busco o entrosamento com os companheiros.” (Fabinho, volante do Cruzeiro)
  11. Buscamos o resultado que, infelizmente, não aconteceu. Procuramos suportar a equipe do Goiás, que estava esperando os contra-ataques, mas não conseguiram, tanto que o gol foi de bola parada. Agora, é pensar no próximo jogo.” (Elicarlos, volante do Cruzeiro)
  12. Claro que não perdemos por causa dos atletas. Todos os jogadores do Cruzeiro têm qualidade, tanto os titulares, quanto os reservas. A gente vem pra ganhar, pra jogar bem e buscar os resultados positivos. Pra mim, foi importante pra ganhar experiência. Cada jogo que eu entro é uma experiência nova. O Adílson me colocando e depositando confiança em mim, tenho certeza que, a cada jogo, vou melhorar meu futebol.” (Bernardo, volante do Cruzeiro

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.