A página heróica e imortal da Moema Fox

Por SÍNDICO | Em 22 de junho de 2010

Caros Jorge e Evandro,

Segue meu relato do jogo Cruzeiro x NY Red Bulls. Ficou bem grande, então por favor fiquem à vontade para fazer os cortes/alterações que julgarem necessários.

Peço também que revisem o texto, pois ultimamente ando comentendo diversos erros de português…

Seguem também, em anexo, as fotos que tirei durante o jogo. São poucas, pois como falei minha câmera resolveu parar de funcionar assim que cheguei ao estádio, e meu celular ficou sem bateria…

Apesar de tudo, aí vai uma parte da aventura americana para acomapnhar, em 18jun10, o NY Red Bull 2×4 Cruzeiro

Um forte abraço,
Moema.

*****

Minha página heróica e imortal

Moema Fox

Eu mal pude acreditar quando surgiram os primeiros rumores de que o Cruzeiro estaria acertando alguns amistosos nos EUA. Moro em Chicago há pouco mais de dois anos, e não tenham dúvidas de que uma das coisas que mais sinto falta é acompanhar o nosso time.

Se dependesse do interesse local pelo futebol, não teria ficado sabendo que meu Cruzeiro estaria excursionando pelos EUA. No entanto, parece-me que o jogo foi bastante divulgado em Boston e New Jersey, onde existem enormes comunidades de brasileiros.

Em tempos em que se discute qual o modelo ideal de torcedor, prefiro seguir a minha própria cartilha: acompanho, defendo, divulgo e torço a favor. Não me acho melhor ou pior que nenhum outro torcedor, e por isso quero começar este relato dizendo que meu objetivo aqui é tão-somente o de compartilhar com vocês a experiência que tive, pois tem sido neste espaço que acompanho mais de perto o nosso time durente este período em que estou morando fora do Brasil.

Relatei, aqui no blog, algumas dificuldades pra ir a este jogo. Até o último minuto, fiquei sem saber se conseguiria, pois tinha um compromisso profissional na manhã de sexta que poderia se estender pela tarde e impedir a minha viagem. Mas tudo deu certo e cheguei ao aeroporto sem problemas. Saí de Chicago às 14h40, com previsão de chegada em NY às 16h (NY tem fuso diferente de Chicago, uma hora adiantada). O jogo começa às 20h, então nada poderia dar errado!

Chegando em NY, veio o desespero: trânsito parado e o tempo parecia passar mais rápido que o normal. Após 20 minutos sem mover um quarteirão, perguntei ao taxista quais eram as minhas alternativas. Ele disse que se eu quisesse chegar ao estádio antes de o jogo acabar, teria que ir de trem. Dois minutos depois, lá estava eu dentro de um ônibus indo pro lado oposto da cidade, mas que me levaria para a estação de trem onde pegaria o metrô pra Manhattan e, onde faria  baldeação pro trem de New Jersey.

Cheguei ao estádio às 20h20 com mala e tudo. Ouvi a vibração do primeiro gol do lado de fora, e minha ansiedade só foi crescendo. Camisas celestes por todos os lados, uma sensação indescritível! Comecei a correr e agradecer quem inventou a mala de rodinha! Cheguei, ufa!

A Arena Red Bull, recém inaugurada, tem capacidade pra 25 mil pessoas. Como fui sozinha, comprei ingresso para o setor chamado “Club Seats”, área vip, com assentos em lugares privilegiados (primeiras fileiras perto dos bancos de reservas) e acesso ao “club lounge”, com comida e bebida incluídos. Esse era o ingresso mais caro, mas tinha opções pra todos os gostos e bolsos. Atrás do gol fica a área dos supporters, que é o mais próximo da geral que os americanos podem chegar, e o ingresso custa US$30.

Espero que o Cruzeiro tenha aproveitado pra fazer algumas observações e aprender com os americanos que a melhor forma de fazer dinheiro é investindo no torcedor. Pois ele é o cliente mais fiel que existe. Só que ele não dá dinheiro se não receber algo em troca.

Meu assento era o primeiro ao lado do banco de reservas do Cruzeiro, uma excelente localização. Se eu fosse mais cara-de-pau, dava até pra ter batido um papinho com os reservas durante o jogo e até  com o Jonathan durante o 2º tempo, quando aquele espaço virou a lateral direita do nosso time.

Como cheguei atrasada, claro, já tinha gente sentada no meu lugar. Como aqui é diferente, e paguei mais caro pela localização do assento, pedi ao amigo cruzeirense para sair, no que fui prontamente atendida.

O estádio não estava lotado, como vocês podem ver nas fotos. Só a parte inferior estava cheia, e praticamente todo mundo com a camisa do Cruzeiro. Fiquei feliz de ver que temos uma torcida imensa também por aqui.

Perto de mim, havia um torcedor com a camisa rosa. Quando o Red Bulls fez o primeiro gol, o pobre-coitado teve a cara-de-pau de levantar e provocar a torcida. Mas, pouco tempo depois o Cruzeiro fez mais um, e aí ele voltou à sua tradicional inferioridade, sem maiores retaliações da torcida (até porque, acho que todo mundo devia se conhecer na área onde eu estava). Mas depois eu fiquei foi com dó, porque eu teria ficado muito triste se fossem as cocotas vindo pros EUA no lugar do Cruzeiro. Sofredor internacional, coitado. Mas eu vi camisas de vários times, muitas da seleção, e gente com diversos sotaques, então notei que o Cruzeiro havioa proporcionado uma festa para os brasileiros da região.

Mas, pior que as zebras rosas, são os cornetas. Numa boa, entendo torcedor que fica nervoso durante jogo importante e desabafa xingando os jogadores, mas fazer isso em um amistoso, ainda mais quando o time finalmente vem à sua cidade??? Ah, não – o Henrique pegava na bola, um caboclo perto de mim começava a reclamar. Rafael Monteiro caçava uma borboleta, xingavam o menino. Confesso que senti vergonha quando começaram a chamar o Pedro Ken de cachaceiro (?) e fazer gracinhas com o Roger. Meu, pra que time você torce???

Não tenho a pretensão de fazer uma análise do jogo, esquemas táticos e atuação dos jogadores, o que não é a minha praia e já foi feito com maestria pelos comentaristas aqui do blog. Mas, como impressão geral, foi um jogo gostoso de se assistir, aberto, sem marcação cerrada e com bastante espaço para os jogadores. Tivemos várias chances de gol, e alguns jogadores fizeram firulas pra agradar à platéia -brasileiros e, principalmente, americanos, que ficaram impressionados. Emerson Ávila muito raramente se levantava, e achei o clima entre os jogadores descontraído e amistoso.

Passou rápido, muito rápido… Queria que o jogo tivesse mais dois tempos, só pra eu poder curtir um pouco mais o momento e a alegria de estar perto do meu time…

Acabado o jogo, uma multidão invadiu a área onde eu estava sentada, já que era ao lado do banco do Cruzeiro. Acabaram ali as minhas esperanças de algum contato com os jogadores, mas tudo bem. Torcedores pediam camisas, que foram negadas. Wellington Paulista, já sem camisa pois tinha trocado a sua com um gringo, tirou as chuteiras vermelhas e jogou para os torcedores. Algum outro jogador jogou uma camisa de treino, e começou a confusão. Gente brigando, cada um puxava um pedaço -era um pedacinho do Brasil na América, risos… Vi que muitos outros fizeram como eu, vindo de longe apenas para ver o Cruzeiro jogar.

Na saída, encontrei-me com o Guilherme Mendes no lobby. Ele me perguntou de onde eu vinha (já que eu era o E.T. do estádio carregando uma mala), perguntou se eu gostei, etc. Nessa hora até pensei em pedir pra conhecer os jogadores, e tal, mas confesso que já estava mais preocupada em como voltar pra NY (onde fiquei hospedada), então deixei de lado a chance de conhecer o elenco. Além do mais, não ia nem poder tirar fotos já que não tinha câmera, e todo mundo conhece o ditado que diz “pics or it didn’t happen”, né?

A volta foi outra aventura. Segui o fluxo de torcedores crente que ia chegar na estação de trem, até que uma hora todo mundo foi se dispersando e a lerdeza aqui finalmente notou que estava perdida. Fiquei com um pouco de medo, pois NJ não é lá o lugar mais seguro dos EUA, mas não ia ser agora que algo iria dar errado, né? E, enquanto eu andava, com minha camisa do Cruzeiro e puxando minha malinha, algumas pessoas passavam de carro e perguntavam quanto foi o jogo (em português), e saiam buzinando alegres quando eu falava o placar. Achei a estação, voltei para Manhattan e fui dormir feliz e satisfeita por ter escrito a minha própria página heróica imortal.

Quero agradecer aos amigos do Cruzeiro.Org e do HD por terem me incentivado a ir ao jogo. Confesso que em alguns momentos pensei em desistir, tendo em vista os inúmeros obstáculos e dificuldades que foram aparecendo. Foi difícil, cansativo e caro, mas valeu cada esforço, cada minuto e cada centavo. E a verdade é que a gente não sabe o dia de amanhã, então temos que aproveitar as oportunidades de fazer o que gostamos enquanto as condições nos permitem fazê-lo. Afinal de contas, são momentos como esses que ficam gravados em nossas vidas.

75 comentários para “A página heróica e imortal da Moema Fox”

  1. Jorge Santana disse:

    Moema, Celeste, Beth, Simone e Mariana, enfiam, todas as mulheres do PHD, são minhas torcedoras favoristas. Perfeitas. Incondicionais. Elas, realmente, podem dizer com propriedade o que os jogadores dizem da boca pra: “Este grupo vai se doar”. Nunca torcem pras suas convicções, não secam o time pra se afirmarem, não desanimam diante das dificudades. Elas estão do lado esquerdo do meu peito. É animador tê-las por perto. E seria fantástico, ler e publicar o que elas pensam, dos jogos, do time, dos atletas, da torcida, da vida. O blog é de vocês, meninas. Escrevam tanto quanto torcem. Nós, marmanjos, temos muito que prender com vocês.

    • Moema (MFox) disse:

      Jorge, obrigada. Pelo elogio e pelo espaço. Mas somos tão cruzeirenses quanto vocês, talvez o instinto feminino apenas nos dê um pouco mais de ternura na forma de enxergar as coisas… Tenha certeza que nós aprendemos muito com os marmanjos, e é essa mistura que faz a coisa ficar mais legal. Como tudo na vida.

      • Moema,
        Cheguei à sua Chicago. Ao invés da STORM encontrei um domingo de sol quente. Encontrar com amigos do velho mundo e com o meu primo Nando Chiabi que mora aqui em Hyde Park e trabalho em Indiana Harbor East (na ArcelorMittal Indiana – a antiga Inland Steel).
        E sem muito tempo a perder fomos para o pub The Globe para vermos o jogo do Brasil, contra a Costa do Marfim. Prá variar acertei o placar do jogo que acabou 3 x 1 para nós.
        Encontramos torcedor do Cruzeiro, São Paulo, Grêmio e do Vasco no recinto. E nos divertimos a valer.
        Lá pelas tantas vimos que era tempo de voltar ao Hotel, Swissotel, onde nesta semana teremos a Leadership Convention of ArcelorMittal.
        Espero encontrá-la aqui.
        E parabéns pela Página Heróica…emoção e vitória azul.

      • Moema (MFox) disse:

        Você ainda tem meus contatos? Eu moro a 4 quarteirões do Swissotel (moro em frente ao Navy Pier). Se vocês ainda estiverem aqui na sexta, podemos tentar ver o jogo do Brasil juntos! Eu vou estar em Chicago a semana toda, vamos ver se dessa vez a gente consegue se encontrar!

      • Chiabi Jr. disse:

        João Chiabi Duarte é internacional!!!

      • Estamos juntos aqui eu e o nosso grande irmão de sangue azul e primo : Luiz Fernando Coelho CHIABI. Mais popularmente conhecido como LAMIBINHO ou o menino que engoliu um lambari vivo, pulou no Santo Antônio e saiu nadando…
        Ele a Marcinha estão me ciceroneando esta semana aqui em Chicago… Na sexta, vamos ver o jogo do Brasil e depois rachar fora rumo a BH…

  2. Moema, que bom que deu tudo certo. Parabéns,pelo texto.

  3. simone b de castro disse:

    Nossa! Fantástico acordar e ler um relato maravilhoso como esse da Moema! Confesso que estava louca para ler logo as aventuras de uma tão dedicada cruzeirense moradora dos States…E JS, depois dessas palavras, ganhei meu dia!!!

    • mariana disse:

      Tb ganhei o meu! Obrigada JS!

    • Beth Makennel disse:

      Eu também me enchi de orgulho e satisfação tanto pelas palavras do JS, pessoa impar de muita grandeza como pela maravilha de post da Moema que se mostra mais uma grande e fervorosa cruzeirense mesmo longe de casa, lá pelas bandas do EUA. Fico cada vez mais feliz de fazer parte deste espaço tão meu, tão nosso, onde somos consideradas, exaltadas e convivemos em plena paz com os marmanjos gente boa Cruzeirenses e até mesmo galista como o Damas. Parabéns as companheiras Cruzeirenses, Moema, Celeste, Simone, Mariana e outras que ás vezes aparecem e dão o recado.

  4. simone b de castro disse:

    Moema, essa do “sofredor internacional” foi ótima! Eu teria vergonha de ir secar o patético se eles fizessem amistosos internacionais, sinceramente. E corneta em jogo amistoso, e ainda por cima na terra do tio Sam? Puxa, se eu não tivesse lido, não acreditaria. Esse tipo de torcedor deixa de curtir os melhores momentos, de aproveitar a presença do seu time de coração. O que será que tem na cabeça deles? Titica de galinha?

    • Aldir Dovalle disse:

      Simone, pois pode acreditar no ” sofredor internacional”, lembro perfeitamente quando assisti a final da copa do brasil 2000 entre cruzeiro e sao paulo. Estava num show aqui perto de boston com varios teloes e muitos cruzeirenses animando a festa e adivinha quem eu vejo colado no telao principal? um pobre infeliz zebrado! o presidiario ficou o jogo inteiro secando, mas quando o geovani fez o segundo nos expulsamos ele do show..rs..foi muito hilario ou patetico…foi meu jogo inesquecivel do cruzeiro!!!

      • simone b de castro disse:

        Ah, esse pessoal não tem vergonha na cara mesmo não.KKKKKK Vocês fizeram muito bem em expulsá-lo. Aliás, ainda tiveram uma paciência tremenda! Nem em USA estamos livres desse povo…

  5. Palmeira. disse:

    Moema, tem que gostar muito do Cruzeiro para essa aventura toda. Mas, certamente, valeu à pena! Deve ter sido uma ótima experiência.

  6. Palmeira. disse:

    O.T.: sobre o entrevero do Dunga com o Alex Escobar, a nóticia postada no uol aclara tudo: http://copadomundo.uol.com.br/2010/ultimas-noticias/2010/06/22/globo-negociou-entrevistas-com-ricardo-teixeira-mas-dunga-vetou.jhtm

    • Jorge Santana disse:

      Vamos deixar este post pra discutir a história da Moema e a de outros torcedores que moram longe de Beagae se esforçam pra ver o Cruzeiro jogar. Há um post sobre o Dunga , certamente, haverá outros. De qq forma, lembro que, antes do entrevero, postei um comentário avisando que ia dar galho o veto do treinador às exclusivas. Tava na cara. Voltaremos ao tema.

  7. Mauro França disse:

    Bela demonstração de amor ao clube. Parabéns, Moema. Fiquei pasmo com a cornetagem. Vc entende agora porque muitos aqui reclamam de certas posturas, em especial essa de vaiar e xingar jogadores?

  8. Bom dia PHDistas,
    Sensacional a aventura da nossa Moema, quem derá a maioria dos torcedores do Cruzeriro fosse igual a você, torcendo incondicionalmente pelo nosso time. Abraços

  9. Hermes disse:

    Legal Moema, com certeza nunca vai esquecer essa aventura, parabéns pelo post.

  10. ACRossi disse:

    Que legal Moema, exemplo para muitos cornetas. Tenho um filho que passou uns tempos ai nos EUA, e cheguei a sentir ciúmes do Cruzeiro, a saudade do Cruzeiro era maior que a minha e da mãe…rsrsrsrsrsr…..abraços….e felicidades….

  11. mariana disse:

    Que bacana seu relato Moema! Me deliciei com cada frase, adoro quando o PHD fala do amor incondicional de alguém pelo Cruzeiro. Eu, que vou sempre ao Mineirão me emociono a cada partida…Imagino sua emoção de poder acompanhar o CEC de perto depois de tanto tempo. Sua página heróica imortal é inspiradora!

  12. mariana disse:

    Qnto aos cornetas, cansei de lutar contra, eles estão por toda parte, erva daninha. Estou desenvolvendo um escudo pra esse povo não me afetar. Dá vontade de bater. Moema, vc merecia melhor sorte, tinha que ficar perto de gente assim depois de tanto tempo sem ver o Cruzeiro?

  13. Sobrinho disse:

    Muito bacana o relato e constatar o tanto que Goval povoou os States. Sobre os cornetas, eu ficou impressionado como que esses caras conseguem ficar tão nervosos em jogos amistosos ou menos importantes.

  14. Edinho disse:

    Moema,
    Parabéns pelo texto e pela aventura!!! Nota 10!
    Estive num jogo em 2008 do Red Bulls x LA Galaxy (time na época de David Beckham e Donavan), jogo este em New Jersey, porém os Bulls mandavam seus jogos no GIANT STADIUM. É IMPRESSIONANTE a organização do evento, as comodidades que se tem no estádio, a qualidade da estrutura.
    Espero que essa “turnê” tenha sido útil para nossos dirigentes perceberem o que é um estádio organizado, um evento voltado para o TORCEDOR. Temos muito que aprender!!!
    Um abraço,
    Eden Dutra (Edinho)

  15. Matheus Reis disse:

    Olá, Moema. Também gostei bastante do relato. Mostra pra muita gente como é difícil ficar tanto tempo sem ver o Cruzeiro ao vivo. E o relato vem bem a calhar já que ficaremos um tempinho sem o Cruzeiro por perto.

    Claro que a distância até Ipatinga ou Uberlândia nem se compara a estar em Chicago. Mas talvez, essa distância sirva pra uma galera aí valorizar mais seu time.

    A cornetagem é internacional. Incrível. Nego deve ter muita frustração na vida pra “descontar” no time desse jeito. Como diria minha vó: é muito rancor no coração.

  16. claudio(xina)lemos disse:

    Moema parabéns pelo amor ao Cruzeiro, parabéns pela aventura, tomara que a narrativa desta aventura cheque ao Cruzeiro para a diretoria ver o quanto este tipo de Ação é benefíco ao Clube e aos torcedores cruzeirenses fora de Belo Horizonte.

  17. rosan amaral disse:

    Moema, parabéns. Eu revivi as partidas do Cruzeiro que já acompanhei fora do Brasil. Aquele seu temor na vizinhança do estádio após a partida também já passei com as mesmas dificuldades de encontrar um transporte. O agravante que foi na saída do La Bomboneira (o jogo da foto do meu avatar). Este ano também tive dificuldade de encontrar transporte após o jogo com o ColoColo no Chile. Acho que o ideal é que todo torcedor aqui do PHD deveria planejar uma viagem (pelo menos) por ano para acompanhar o Cruzeiro fora do Brasil.

  18. Rogério disse:

    E não é que estes amistosos foram bastante benéficos para o Cruzeiro, fez a alegria de torcedores que como a Moema tem poucas oportunidades de acompanhar o Cruzeiro, os resultados melhoraram o astral do grupo de jogadores. Outro detalhe é que os jogadores tiveram a oportunidade de avaliar melhor a grandeza do clube que eles jogam.

    • simone b de castro disse:

      É mesmo, Rogério. O Jonathan mesmo era um que não queria ir, e no final, estava dando dribles desconcertantes prá cima dos adversários, só para agradar à torcida.

  19. Leo Vidigal disse:

    Muito legal, Moema! Parabéns pelo esforço e pelo texto!

  20. Sergio HKG disse:

    Moema, que “aventura” fantastica… parabens!!!
    Espero um dia ter a chance de ver o Cruzeirao aqui em Hong Kong…..

    • Rogério disse:

      Em HKG é meio dificil, mas quem sabe no Japão?? Se não me engano a partir deste ano o Mundial de Clubes volta para o Japão.

  21. Chiabi Jr. disse:

    Muito bacana!!!

  22. Claudinei Vilela disse:

    Parabens aos idealizadores do evento. Espero que tenham tido o retorno esperado (caso de se verificar).
    Parabens a Moema e a todos os cruzeirenses que tiveram este gostinho. Um jogo destes não só a saudade do time, mas a saudade do Brasil, do povo brasileiro. Quando se reuniria 10 mil brasileiros/mineiros/cruzeirenses se não fosse por um jogo desses?
    E quando se mora fora, qualquer coisa que lembre o país que agente vive é motivo de festa, por mais que tenhá-se qualidade de vida em outro lugar, nada é melhor que nossa casa.

  23. Querida Moema;
    Não duvidava que seu texto daria um banho de luz, o aguardava ansiosamente. Informo (delato) que sou um dos privilegiados de ir contigo ao Mineirão, de gritarmos e xingarmos juntos… Aguardo seu retorno de braços abertos para reeditarmos esses momentos. Sinceramente, o seu foi uma verdadeira odisséia, bem maior daquelas que nos deparam quando nos encontramos em Buritis para irmos ao estádio. Um beijo no seu coração. Jorge Schulman

    • Moema (MFox) disse:

      Querido Jorge,
      O futebol é tão grandioso porque nos dá a oportunidade perfeita para fazer amigos (embora alguns prefiram usá-lo para o contrário…). Sou grata ao Cruzeiro.org e ao PHD por muitas coisas, e uma delas é ter tido a oportunidade de conhecê-lo!
      Um grande abraço, amigão!

  24. Gleyton disse:

    Show de bola!!!

  25. Damas disse:

    Uma pessoa que faz tudo isto pro seu clube de coração, imagino o que ela faz para todos que estão a seu lado, principalmente os familiares. Sem conhecer a Moema, não tenho dúvida em afirmar que se trata de uma alma generosíssima.

    • Moema (MFox) disse:

      Damas, confesso que fiquei emocionada com suas palavras, obrigada. Realmente minha paixão pelo Cruzeiro só perde para a que tenho pela minha família, e admito que a distância é grande. Então já dá pra ter uma idéia do amor que sinto pelos meus familiares, né? =)

      Eu estaria mentindo se dissesse que fico feliz nas vitórias do seu time, mas certamente uma das compensações é saber que atleticanos como você estarão felizes. Forte abraço!

  26. matheus t penido disse:

    Parabéns à Moema pela perseverança e demontração de amor ao clube. Confesso que lendo fiquei até com uma certa vergonha por morar a 80 km de BH e ir com pouquíssima frequência ver o Cruzeiro jogar. Vou ver se aprendo um pouco com a Moema, com a Simone, com a Mariana e todas as outras que fazem esse blog ainda melhor com suas presenças.

  27. Moema (MFox) disse:

    Agradeço a todos pelas mensagens de carinho e incentivo. É engraçado porque eu estava com tanta dúvida se deveria ir ou não, e agora que passou eu não consigo entender como sequer cheguei a ter dúvidas!!!

  28. Emilio disse:

    Sensacional o relato, também me surpreendi pela quantidade de Cruzeirenses lá. O clube deveria fazer amistosos todos os anos lá nos EUA.

  29. Gustavo Martins disse:

    Escrito com o coração, e não com os dedos. Parabéns, Moema. Pelo texto, por ter ido defender nossas cores e pela torcedora que você é.

  30. Gustavo Martins disse:

    E me fez refletir: às vezes eu acho complicado sair de Sabará pra ir ao Mineirão. E olhem o que a Moema fez. Fiquei com vergonha agora. Abraços!

  31. Elias disse:

    Tai uma torcedora (!!!) 5 estrelas. Nem o tempo, nem a distância nos separam. Post muito esperado, superando traquilamente as minhas expectativas. Moema é 10+++++!!

  32. Elias disse:

    E o relato só reforça meu sentimento. QUE INVEJA DA RED BULL ARENA. Tudo organizado, com lugares determinados e funcionando. Que venha o novo Mineirão…

  33. Celeste disse:

    Moema só agora pude ler o seu post. Que coisa linda! Emocionante! Isso é torcer. Peço ao nosso gentil bloqueiro (brilhante no primeiro comentário) que deixe ess post no topo por mais algum tempo.

  34. Renato-SP disse:

    Vi o post hoje de manhã, mas como sabia que seria um ótimo relato deixei para ler com calma agora à noite. Agi corretamente. Parabéns Moema. A emoção de ver o Cruzeiro não tem igual. Minha esposa e eu fomos à vários jogos do Cruzeiro aqui em São Paulo. Todos de alguma forma forma muito emocionantes. Minha companheira invariavelmente chora em algum lance de raça de nossos jogadores ou gol ou quando a torcida canta à plenos pulmões. Assim como você também estamos à pouco tempo longe do melhor estado do mundo e sempre que se concentram Cruzeirenses parece que a família está um pouquinho mais próxima. Obrigado por nos brindar com o ótimo relato e que essa excursão seja anual para deleite dos nossos torcedores que estão nos EUA.

  35. Moema,
    Nós, do Cruzeiro.Org, é que ficamos agradecidos e envaidecidos, como em nosso hino, de podermos contar em nossas hostes com torcedoras da sua estirpe.
    Estamos aqui, na Internet, há alguns anos, nos sacrificando, é para termos o prazer de lermos seu relato.
    Desde 1993 que temos torcedores/acompanhantes fieis que só tinham ao Cruzeiro.Org (que nem se chamava Cruzeiro.Org) para acompanhar o Cruzeiro a partir dos EUA. Hoje, estes torcedores que estavam, e ainda estão nos EUA, cresceram e conseguem ver o TORCEDOR de uma maneira bem próxima a que você descreve.
    OBRIGADO E PARABÉNS POR ESTAR CONOSCO!

    • Celeste disse:

      Evandro, só descobri vocês em 2005. A partir de então o site/blog é, basicamente, minha única fonte de informação sobre o Cruzeiro. Outras informações só quando vejo jogos do time pela TV. E depoimentos como esse só aumentam a paixão pelo time do coração.

    • Moema (MFox) disse:

      Obrigada, Evandro! Saiba que eu estava quase desistindo de ir quando recebi o seu email, e foi ali que resolvi que iria de qualquer jeito! Abraços e vida longa a toda iniciativa que tenha por objetivo elevar o nome do Cruzeiro!

  36. rafa_pena disse:

    Parabéns Moema, assisti o jogo e fiquei emocionado com a alegria dos torcedores e fiquei tentando imaginar como deve ser a sensação de ter uma paixão tão distante por um momento ficar tão próxima. Parabéns ao blog por proporcionar depoimentos como esse.

  37. Raf Lima disse:

    Parabéns Moema.. Belo relato

  38. Raf Lima disse:

    OT: Será que esse contusão do Luxemburger nao foi ‘planejada’ só pra manter o vaidoso na mídia? Muito maldade minha ou pode proceder? rsrsr

  39. Ricardo Malafaia disse:

    Pô… post especial. Muito bacana mesmo. E ainda por cima é pé quente.

  40. Beth Makennel disse:

    Depois dizem que torcida apaixonada de Minas é a do outro lado da pampulha. Quanto engano! Parabéns Moema! Belo relato! Certamente nunca vai esquecer este dia. Um esforço enorme para ver o seu amado Cruzeiro é ainda mais gratificante e lava a alma de suor e emição. Achei sensacional aquele estádio com tantos torcedores vestidos de azul e branco 5 estrelas. Penso que o Cruzeiro é o time que mais tem torcedor nos EUA, não é mesmo? Parabéns a todos que lá estiveram e fizeram um belo espetáculo.

  41. Walterson disse:

    Parabens, Moema, pelo belo relato, muito bem escrito, por supuesto. Lembro que passei por uma situação semelhante quando sai de Recife para Belzonte, em cima da hora, para a final da LA09. Imagino que pelo menos a distância seja a mesma que de Chicago a NY.
    Ainda bem que, quando for novamente ao Mineirão, o mesmo estará mais civilizado. Mas cuidado com os tropeiristas assim mesmo. Ouvi dizer que o Sobrinho é o pior deles pois cospe farofa em todo mundo.

  42. Arthur disse:

    MOEMA, belo texto e imagino o sufoco de vc chegar e principalmente sair de NK para NY com mala de rodinhas. Is not mole não! Quando estive no Chile em 2008, também no dia de vir embora, perdi uma boina de jokey que havia comprado lá, no local da exposição. Peguei o metrô, desci, fui a pé até o local, falei com todo mundo, não achei. Voltei para o cnetro da cidade -novamente- de metrô, achei a loja, mas estava fechada e lá eles abririam somente as 10 no sábado. Meu vôo era as 11, não daria tempo de esperar. Voltei de novo metrô-hotel e fiz o checkout. Essa aventura toda se passou das 7:00 da manhã as 9:15. Foi muita loucura e muita coragem correr tudo aquilo sozinho, sem direito a perder-se no caminho.

    • Arthur disse:

      Os locais são bem diferntes, acho que seu risco foi muito maior, então vc realmente é uma CRUZEIRENSE de 1.a linha. Sonho que um dia -Deus ajude- eu consiga achar uma companheira pra mim, que seja assim também. Infelizmente, não tenho tido essa sorte… Parabéns pelo texto tb. ABS/ART

      • Walterson disse:

        Olha o Arthur jogando um H pra cima da Moema. PHD tambem é site de encontros, hehehe!

      • Arthur disse:

        WALL, sem chance… essa louraça aí só dá pra bater palmas e sonhar ter uns 20 anos menos e uns 2 BMWs a mais… rss

      • Moema (MFox) disse:

        Ih, Arthur, tá me confundindo! Não sou loira, quiçá loiraça, hahaha Abraços!

  43. Daniel Carvalho - Porto Alegre disse:

    Legal o depoimento de mais um(a) cruzeirense espalhado por este mundo afora. Veja como é bom falar do nosso Cruzeiro. A Marca Cruzeiro é muito Grande.

  44. reinaldo disse:

    Belo relato de uma cruzeirense de coração1

  45. Othon disse:

    Belíssimo relato, parabéns !
    Me lembra muito as viagens que ja fiz atras do Cruzeiro !
    Mais uma vez , Moema, parabéns, mostrou como um cruzeirense de coração deve se portar !

  46. Moema (MFox) disse:

    Gente, eu fico com vontade de responder um a um, todos os comentários… É muito engraçado como a gente não conhece pessoalmente a maioria dos participantes do blog, mas ao ler o nome a impressão é de estar recebendo uma mensagem de um velho amigo! Muito obrigada mesmo!

  47. Frede disse:

    Showzaço de bola o relato e a aventura pelas terras do grande titio San! Fiquei feliz demais pela sua alegria em assistir ao Cruzeiro Exportação.

  48. Naylor disse:

    Oi Moema..
    a sua irmazinha me mandou o link do blog e não pude deixar de ler e tambem de comentar.. nossa imagino que emoção que você deve ter sentido vendo o cruzeiro jogar, vi o jogo pela televisão e poderia ter sido de mais viu.. mas o jogo foi muito bom, melhor do que muito jogo da copa.Abs pra você e ate a proxima.

  49. Naldo disse:

    Grande aventura Moema, parabens.