A. Kfouri: “Esta é uma das mais belas histórias…”

Por SÍNDICO | Em 6 de novembro de 2009

Comentários de blogueiros e jornalistas sobre a festa de despedida de Sorin –Cruzeiro 2×1 Argentinos Juniors, no Mineirão-, em 04nov09:

  1. Leandro Mattos, em seu blog : Em setembro do ano passado, mais precisamente no dia 05, falei sobre Sorín aqui no ‘Girando a Bola’. O argentino desembarcava em Belo Horizonte, carregado pela torcida celeste no aeroporto de Confins. Veio para se recuperar de uma lesão no joelho direito, com a esperança de voltar a defender a camisa estrelada, como já tinha feito antes, com raça e identificação com o clube azul. Quis o destino que o reencontro durasse pouco, pelo menos dentro de campo. No final de julho deste ano, cansado das lesões e da falta de oportunidades que elas significaram com Adílson Batista, o ídolo disse tchau para o mundo da bola. Foi um adeus sentido pela torcida. O argentino era um dos raros exemplos no futebol atual de jogadores que experimentam ligação mais estreita com as cores que defendem. Era diferente da maioria que não vê problemas em beijar um escudo à cada seis meses. Gente que troca de clube e de juras como se trocasse de roupa. Sorín se despede oficialmente dos gramados nesta quarta-feira, num esporte cada vez mais permeado por ídolos descartáveis.
  2. André Kfouri, em seu blog : Juan Pablo Sorín se despediu do futebol ontem, num amistoso entre Cruzeiro e Argentinos Juniors (2×1: Bernardo, Guerrón e Santibáñesz – 42.216 ingressos trocados por 90 toneladas de alimentos), no Mineirão. É uma das mais belas histórias de idolatria entre uma torcida brasileira e um jogador estrangeiro, o que deveria bastar para descrever sua última noite nos gramados. Mas não basta. Porque histórias como essa são cada vez mais raras. Foi bonito, mas é uma pena que tenha sido o fim. Imagino que seja esse o sentimento do cruzeirense, ao ver Juampi pela última vez vestido de azul.
  3. Mauro Beting, em seu blog : Sorín já havia conseguido a proeza de receber elogios –ou o silêncio elogioso– de atleticanos por tudo de lindo que fez pelo Cruzeiro. Para os mais de 40 mil que foram à despedida dele do fútbol, assim mesmo, na língua-mãe de Juampi, conseguiu mais uma vez se superar: fez brasileiros e argentinos falarem a mesma língua. Honrarem dos raros que vestiram camisas rivais com o mesmo amor. Como se fosse só uma. Como se ele realmente fosse só um. Grande Sorín. Como não tenho mais palavras, repito as que escrevi quando você anunciou a aposentadoria: Em campo, começava o jogo na lateral esquerda. Se a bola fosse do Cruzeiro de 2000 a 2002, ou da grande Argentina de Marcelo Bielsa no mesmo período, em segundos já estava na área rival, como se fosse centroavante, para subir de cabeça como um Yao-Ming de 1m73. Como mágica, no contragolpe rival, lá irrompria Juampi na área celeste para aliviar o perigo, para assumir a bucha, para ganhar as bolas que para ele não eram perdidas. Prefiro dizer que Sorín atacava e Juampi defendia. Porque, por vezes, tive a impressão de ver no Mineirão ou pela TV uma mesma camisa fazer duas coisas ao mesmo tempo. Quando não fez muito mais. E não só pelo Cruzeiro. Pergunte a algum atleticano se ele respeita e admira alguém pintado de azul. A resposta é “sim”. É Sorín. Vá além de Minas e pergunte nas gerais do Brasil: tem algum gringo que você gostaria ver não apenas jogando, mas suando por sua camisa? “Sim”. Sorín! Jogador Mercosul. Integração entre brasileiros e argentinos, cruzeirenses e atleticanos. Tão bom dentro quanto fora de campo. Daqueles que só fazem bem ao esporte e à vida. Tanto que, sabedor das más condições clínicas que não o fizeram ainda maior do que foi por estes trópicos, preferiu pendurar as imortais chuteiras a eventualmente prejudicar o Cruzeiro que tão bem defendeu – e atacou, e marcou, e correu. Não vá embora, Sorín. Ou vá como você ia ao ataque: vá e volte ao mesmo tempo.
  4. Mário Marra, em seu blog: A despedida do argentino Sorín foi mais um belo gol dele. Noventa toneladas de alimentos foram arrecadadas. Muitos vão se alimentar com isso. Construir uma imagem de craque pode até ser fácil, mas ser uma pessoa que quer e pratica o bem de forma natural e espontânea é mais complicado. Ao mestre Sorín o meu agradecimento por mais uma lição.
  5. Jaeci Carvalho, em sua coluna da edição online do Estado de Minas: O ídolo eterno – Hoje se encerra a carreira de um dos jogadores mais brilhantes do futebol argentino e um dos maiores ídolos cruzeirenses, mesmo tendo defendido o clube pouco tempo em relação a outros monstros sagrados que estão nas mentes e corações dos torcedores. Juan Pablo Sorín, argentino de nascimento, mas mineiro de coração, tem uma relação de amor com o torcedor, muito fácil de explicar: garra, vontade, determinação, suor e sangue foram os ingredientes usados por ele com o uniforme azul, que deixaram a galera enlouquecida, a ponto de lotar o aeroporto para recebê-lo de volta, ano passado. É verdade que, na última passagem, pouco jogou, por causa das contusões, mas nem essa ausência forçada o separou de sua gente, de seu amor. Acho essa aposentadoria prematura. Aos 33 anos, Sorín ainda poderia jogar muita bola, pois tem técnica e habilidade, qualidades em falta nos dias atuais. Não o considero o maior lateral-esquerdo da história do Cruzeiro, pois jamais o vi como lateral. Sempre o achei um jogador moderno, que ocupava todos os setores do campo e volta e meia aparecia na frente para fazer gols. Foi com esse espírito guerreiro que conquistou a massa, que esta noite lotará o Mineirão, para gritar pela última vez: “Rei, rei, rei, Sorín é nosso rei”. Poucas vezes, nos meus quase 50 anos, vi jogador tão amado por uma torcida em tão pouco tempo. Há atletas que passam uma década no clube e saem sem deixar saudade. Outros passam dois, três, quatro anos e deixam uma saudade eterna. Como Juampi, que fez da camisa azul sua segunda pele e logo se identificou com a marca Cruzeiro. Do primeiro ao último jogo, o desta noite, mostrou que ele e a equipe nasceram um para o outro. E a gente sabe que esse tipo de amor à primeira vista, verdadeiro e sincero, jamais termina. Sorín vai pisar o gramado do Mineirão, levando no colo sua maior riqueza, seu maior título, seu maior troféu: a filha, Elisabetta, que nasceu e vive em BH e, como Sorín e Sol, também vai amar nossa cidade. Com certeza, a emoção será indescritível. Ele sonhou pisar esse mesmo gramado contra o Estudiantes, na finalíssima da Libertadores. Mas acabou preterido. Desprezo que não lhe tirou o amor pelo Cruzeiro. As pessoas passam e a instituição fica. Sorín é grande o suficiente para assimilar esses golpes que a vida lhe prega. Esta será a sua grande noite. Pelo Mineirão, desfilarão craques de hoje e de ontem, como o chileno Marcelo Salas, Raí e Sócrates, entre outros. Sorín terá a honra de receber seu primeiro treinador, Ramón Yiyo, que o viu dar os primeiros toques na bola, no Societé Parque, em Buenos Aires; e também quem o levou à Primeira Divisão, no Argentinos Juniors, Luis Soler; além do brilhante José Pekerman, que o levou para a Seleção Sub-17, para a Sub-20 (campeã mundial) e lhe deu a braçadeira de capitão da Argentina na Copa da Alemanha’2006. Vários amigos estarão em BH e outros não puderam vir, devido a compromissos assumidos anteriormente.  Sorín, Sol e Elisabetta, anfitriões de primeira, esperam deixar a torcida feliz e emocionada. Na preliminar de Cruzeiro x Argentinos Juniors, haverá um jogo de artistas e, logo depois, show do grupo mineiro Skank. Um jantar encerrará a festividade. Noite inesquecível para quem pisou tantos gramados do mundo e honrou os torcedores com um futebol de técnica, garra e vontade de vencer. Quando o árbitro apitar o fim do jogo, Sorín dará sua última volta olímpica, saudará a plateia e agradecerá o apoio, carinho e amor que os torcedores sempre lhe dedicaram. Para ele, não será só o fim de uma carreira, mas também o começo de uma vida longe dos campos, que, com certeza, se estenderá a outros caminhos no futebol e no próprio Cruzeiro. Afinal, a vida do ídolo se confunde com a história do clube e de sua apaixonada torcida. Parabéns, Sorín, que Deus e São Judas Tadeu o iluminem sempre. A torcida do Cruzeiro lhe agradece por tudo. Até breve.
  6. Victor Pimentel, blogueiro do Blablagol: Estamos nos tempos de negociação no futebol. Se a coroada não vai se acostumar a isso e se lamentar, a turma mais nova não sabe o que é um jogador ficar 15 anos em um clube. Ora, use-se isso, não? Valorizar, criar e cultivar os ídolos do presente ajuda a criar uma identificação, e é dever do clube (qualquer que seja) forçar a barra para isso. Nós usualmente somos chatos quanto a ídolos de uma temporada, mas os mais novos são sedentos por ele. É bonito que alguém fale dos jogadores que não viu jogar, mas é impossível que tenham admiração sem um ícone de seu tempo. Parabéns ao Cruzeiro pela iniciativa.
  7. Evandro Oliveira, webmaster do Cruzeiro.Org:  Se alguns podem falar mal do técnico num jogo festivo, posso falar sobre outras coisas que ninguém fala. Devemos ressaltar que, a festa foi como foi e do porte que foi, com repercussão internacional, muito em função do desejo e da capacidade de um cara chamado Sorín. Muito, mas muito mesmo, do que foi feito, o foi por que o jogador determinou algumas coisas. Algumas negociações foram feitas porque “o Sorin quer assim”. Ele era o dono da festa em todos os sentidos e duvido que algumas pessoas no Cruzeiro tenham aprendido a fazer um evento como este ou queriam fazer como este. O Cruzeiro descobriu, a fórceps, o que a torcida (alguns rabugentos) vem dizendo há algum tempo. marketing esportivo como o feito com o evento do Sorín não é marketing de prateleira. Uma pena que a torcida do Cruzeiro ou ao menos garnde parte dela e a própria mídia, não consegue ver algumas coisas. Sorín vinha para Belo Horizonte para se tratar, o Movimento Volta Sorín conseguiu coisas que poucos acreditavam. O Sorin voltou! é isso que a torcida cantava ontem na despedida do jogador. A patuléia só tem que aplaudir. O Sorín foi dono da festa em toda a sua concepção e acepção. Só para não dizer que tudo são flores, não acredito que muita gente tenha aprendido alguma coisa. Alguns não aprenderam nada com as várias lições dadas Pelo Sorín. Gracias, Juanpi!

121 comentários para “A. Kfouri: “Esta é uma das mais belas histórias…””

  1. Jorge Santana disse:

    Com este post, encerra-se a série Despedida do Sorín. Pelo menos até o França mandar um que ele está preparando, que é pra ser discutido no varandão da saudade.

    • Mauro França disse:

      Já mandei.

    • Celso disse:

      Bom lembrar a opinião do Jaeci Carvalho sobre o Sorin jogador:
      “Particularmente, acho o atleta argentino um jogador absolutamente normal. No período em que esteve no clube azul, deu prejuízo, ganhando salários astronômicos, sem vencer um Brasileiro ou uma Libertadores, por exemplo. Vem, agora, para ganhar um salário simbólico e se tratar no clube. Como lateral, é fraco, já que o Cruzeiro perdeu a chance de disputar títulos importantes, justamente por levar gols em cima dele. Basta lembrar daquela semifinal da Copa João Havelange, em 2000, quando Euller deitou e rolou em cima dele”. Jaeci Carvalho.

  2. Arthur disse:

    Ontem fiquei apreensivo e até preocupado quando numa dividida, o SORIN caiu no chão, e achei que ele tinha se machucado. Não acredito em anda proposital (o jogador arrentino foi na bola, e na vontade, e acabou colidindo ou fazendo o SORIN tropeçar, sei lá. MAs, dquele instante pra frente pensei -se o SORIN- iria a té o final, felizmente conseguiu. Mas, vendo os 20 minutos do nosso time titular, mesmo sem fazer força, ficou evidente o algo mais do povo, e os nossos 7 titulares, mostraram bem, salta aos olhos o quilate que separa um time titular preparado, e um reserva. Dito isso, sinto mais tranquilo em ver a despedida do Juampi, enxergando que realmente não haveria como ele seguir no profissional.

    • Arthur disse:

      Qualidade e futebol jamais faltará, mas o empenho físico hoje é muito grande, então se tratando de joelho a coisa é muuuito mais complicada. Se notou ontem um ATHIRSON correndo, aquilo qeu não jogou nem contra a COCOTA, nem contra o ESTUDIANTES. Vem a pergunta natural, por que não?Porque se viu que ele estava inteiro, com preparação, com arrancada e chegada. Tipo GUERRÓN põe a bola na frente e me alcance se for capaz! Vc só consegue isso quando o físico está 100%. De onde chego a conclusão que o ATHIRSON pode ter jogado nessas 2 partids abaixo de que se desejaria, em funçao de mal-condicionamento físico, devido ao periodo em recuperação de contusão. As partids vindouras podem confirmar ou não, mas essa é minha impressão.

  3. Arthur disse:

    Finalizando, se o SORIN -independentemente de como diz o Evandro- se auto-organizou sua festa, ou não, fato é que: 1)conseguiu fazer uma noite para não ser esquecida, 2)não me lembro de nenhum dos meus ídolos ter tido algo semelhante (TOSTÃO-DIRCEU-RAUL-JOÃOZINHO-NELINHO, e muitos outros), 3) conseguiu mais uma enorme divulgação do CEC, time e torcida no MUNDO, 4)conseguiu fazer o torcedor ficar satisfeito com o clube. São pontos a ponderar, numa ótica maior, em que se vê jogadores como mercadorias, que saem e entram no clube como se o torcedor naõ existisse, como se o time fosse detalhe. Quer foi ‘ZE CARLOS” que fez 2×1 no poderoso SPFC na Libertadores? Não sei, foi 1 que foi expulso com 1 minuto…

  4. Arthur disse:

    Quem foi GUILHERME? Foi um devorador de frangas, que nem conseguiu ir muito longe e foi vendido do dia pra noite, mesmo sendo ídolo. Quem foi WAGNER? Foi um que torcedores chamaram de pipoqueiro? O que? Como? Quem foi Zé EDUARDO? Quem? Sabe, o SORIN está na contra-mão disso tudo. É um resgate de um elo JOGADOR-TORCIDA, que infelizmente o nosso caro Dom Zezepe e sua confraria vem destruindo ao longo de anos. Pelo menos alguns poucos anos, tem se mantido um time. Isso é um passo. Se amntemos MP, FABRÍCIO, FÁBIO, HENRIQUE, ADILSON; talvez seja sinal que o armazém possa estar mudando um pouco o conceito. Será? Vamos esperar que pessoas arejadas e valorosas como o SORIN, ensinem novos caminhos. ABS/ART

  5. Renato-SP disse:

    Gostei do post, mas discordo de algumas coisas. Mauro Beting tentou fazer uma média e pisou feio na bola ao dizer que o Sorín conseguia unir Cruzeirenses e pateticanos. Na minha opinião sob nenhuma ótica isso faz sentido. Também achei meio forçação de barra repetir o comentário do tenebroso jaemico carvalho. Parabéns Juanpi

    • Jorge Santana disse:

      Repeti pra irritar o Celso, pq isto aqui não é tribunal de inquisição e pq o blogueiro não briga com o que está escrito. A intenção do post é registrar o que se disse, não perseguir infiéis.

      • Celso disse:

        Obrigado pela lembrança. Fico honrado. Também registrei o que foi escrito. Porque você não coloca no post, a opinião do Jaeci Carvalho sobre o Sorin como jogador? Heim?

      • Jorge Santana disse:

        Celso, eu não me lembro de ter sugerido pauta para seu blog. Sendo assim, não quero te dar o trabalho de sugerir pro meu. Se é que vc me compreende.

      • Celso disse:

        Obrigado pela lembrança, JS. Relaxa! Não estou te sugerindo nada. Apenas fiz uma pergunta.

  6. Chaves disse:

    Sempre tive Sorín como ídolo. Mas confesso que ontem percebi realmente o que o cara significou. Foi uma festa de emocionar. Sorin subindo ao palco e, de repente, ao microfone puxando a musica: “Ole Ole Ole Ole Ole Ole Olá. Sou Sou Cruzeiro….” Veio um filme na cabeça. Me lembrei da final da Sul Minas. Me lembrei que estava no Mineirao vendo tudo. Me lembrei que no dia seguinte vi na TV ele cantando essa musica. E ontem, fiquei imaginando que em 2002, no momento do jogo, estava feliz, mas sem imaginar o quanto aquele momento iria representar um dia para minha vida como cruzeirense. Por isso ontem pude valorizar cada segundo daquela festa. Poder gritar o nome de Sorín como forma de agradecimento.

    • Chaves disse:

      A cada dia sinto mais orgulho de ser cruzeirense. Mais orgulhor e emoção de olhar para as 5 estrelas. Mais orgulho de cantar, do fundo do coração, as musicas como “parar com esse sentimento eu nao consigo”. Hoje o Brasil inteiro sentiu inveja nossa. Uma inveja boa. Em um momento do futebol em que jogadores viram e “desviram” idolos da noite por dia. Num momento em que a imprensa quer plantar novos ídolos e sentimentos falsos de idolatria e paixão. Neste momento nós cruzeirenses e o Sorín dão exemplo de que essa relção de idolatrai não banal, combinada e forçada como tentamos fazer. Sorín Eterno! Ontem cada torcedor refletiu sobre os idolos. Diego Souza, Kleber, Tardelli, Adriano, Dalessandro não são idolos de suas torcidas.

      • Chaves disse:

        São apenas bons jogadores que dão alegrias momentâneas, beijam escudo e falam o que deve ser falado. Apenas isso, nada mais. OBRIGADO SORÍN!

      • Damas disse:

        Depoimento emocionante!! É por isto que o futebol não acaba nunca. Quando li lembrei do meu filho que tem esta mesma paixão, só que para os zebrados.

      • Arthur disse:

        Paixão, não!!! Gostar de sofrer é DOENÇA!

      • Walter Seixas disse:

        Concordo plenamente Chaves…O pior de tudo é que elevar jogadores assim a ídolos, os faz pensar que são mais do que realmente são.
        Acho ainda que o problema do Kléber, por exemplo, só foi maior porque ele era visto como “ídolo” devido a carência de jogadores com esta simbologia em nosso time. O Kléber é excelente jogador e poderia ser visto no futuro como o Alex (coxa branca/palmeirense/cruzeirense), caso não cometesse tantas besteiras. Na minha opinião ainda dá tempo para ele reverter tudo e se eu o pudesse mandar algum recado pediria para ele aparecer por agora, enquanto a torcida está eufórica com o Sorín (atleta que ele já demonstrou proximidade em outra oportunidade).

  7. simone b de castro disse:

    Também não concordo com algumas palavras do Mauro Beting. Atleticano gostar do Sorín, só se ele tivesse jogado nas cocotas! Conheço vários que ficam criticando. O “ídolo”deles é o Marques pé-frio e pipoqueiro, que só voltou para ganhar o voto da massinha e ser político!

    • Damas disse:

      Discordo Simone. O Sorin angariou simpatias junto à torcida do CAM. Talvez pelo estilo de vibração que muito se identifica conosco.

      • Mauro França disse:

        ?????

      • Damas disse:

        Logo tu, colocando dúvida sobre um comentário sincero como este.

      • Mauro França disse:

        rsrsrsrsrs.

      • Walter Seixas disse:

        Damas, sinceridade, aplaudiu o Sorín depois dele ter virado aquele jogo histórico em 2001 (se não me engano) quando o CEC perdia de 2 X 0 para seu time (sem ofensas,rsrs) e Juampi fez o gol da virada?
        Tenho certeza que queria matá-lo naquele momento…rsrs

      • simone b de castro disse:

        Damas, você é um atleticano diferente! Ás vezes, nem parece atleticano! A maioria deles detesta o Sorín, fala mal, faz piadas…Eu convivo com vários, inclusive meu “digníssimo” marido. Sei como é. E nosso torcedor também é vibrante!

      • Arthur disse:

        Conta outra… a vibração de vcs é fazer festa por qq coisa, muuuuito diferente!

    • Rogério disse:

      Eu concordo com o Betting, ele não quis dizer que o atleticano torcia pelo Sorín, mas um grande respeito, sem dúvida eles tinham, como é possível termos respeito por algum jogador das frangas.

      • Damas disse:

        Simone: Taí um cruzeirense diferente também!!!!

      • Branchio disse:

        Concordo, Rogério. Mas vale lembrar que estamos falando de ídolos, não de jogadores. Reinaldo, Luizinho, Éder e Cerezo são exemplos de ídolos emplumados que jogaram ou conquistaram seus únicos títulos nacionais pelo CruzeiroEC. Sds!

      • Rogério disse:

        O Luizinho por exemplo, eu já admirava o futebol dele antes mesmo dele jogar no Cruzeiro.

  8. Celso disse:

    “Particularmente, acho o atleta argentino um jogador absolutamente normal. No período em que esteve no clube azul, deu prejuízo, ganhando salários astronômicos, sem vencer um Brasileiro ou uma Libertadores, por exemplo. Vem, agora, para ganhar um salário simbólico e se tratar no clube. Como lateral, é fraco, já que o Cruzeiro perdeu a chance de disputar títulos importantes, justamente por levar gols em cima dele. Basta lembrar daquela semifinal da Copa João Havelange, em 2000, quando Euller deitou e rolou em cima dele”. Jaeci Carvalho.

    • Damas disse:

      Celso: Este Jaeci é mais falso que nota de 30 dólares!!!!

      • Arthur disse:

        Só ele??? E o Rogério Corra? BOBo Faria? Tá assim de cara na TV que só abte palmas, quando não pode jogar pedra e nem derrubar, e está todo mundo de olho, tiando isso…

    • Walter Seixas disse:

      Naquele ano nós batemos o CRF (time do Jamaury Carvalho Júnior – que deve estar doido para trabalhar no site ofuxico.com) por 1 X 2 no Maracanã…ele deve ter ficado ressentido…Jornalistazinho ruim, tinha que escrever coluna social, ou seja, fofoca!

      • simone b de castro disse:

        Perfeito,Walter! Já que ele se diz amigo de todo mundo, a high society seria perfeita para ele…

    • Jorge Santana disse:

      Idéia fixa, essa do Celso.

  9. Sobrinho disse:

    Off: Pessoal, hoje é aniverssário do Frede!! Mandou avisar que o rodizio no Baby Beef hoje é por conta dele!

  10. Elias disse:

    ôba… Vai ter choppeidança!!! Parabéns Frede, espero o convite prá tomar umas Originais. Nem precisa ter rodízio, ô povim exigente sô!!!

  11. Elias disse:

    Moderado, vamos tentar denovo… Vai ter festa, tô dentro. Originais sim. Rodízio é querer demais.Eita povim exigente sô!!!

  12. Elias disse:

    Parabéns ao Frede. Minha mensagem ficou no filtro. Vamos aguardar. OT…o primo do Jorge tá ganhando força http://esporte.ig.com.br/futebol/2009/11/05/joel+santana+e+alternativa+caso+adilson+deixe+o+cruzeiro+9030080.html

  13. Naldo disse:

    Gostei de todos os comentários, em especial o do André Kfouri, que na minha opinião é melhor que o pai. Todos emocionantes e retratando fatos. Parabens aos comentaristas e ao ídolo Sorin!

  14. Elias disse:

    Parabéns ao Frede pelo aniversário…ele vai receber três mensagens pois o anti spam tá nervoso.

  15. rosan amaral disse:

    OF TOPPIC: Esta notícia de que a Fifa declarou que o Estudientes jogou a semi e a final da Libertadores com jogador irregular entendo que não é motivo para o Cruzeiro requisitar a declaração do título de campeão. Uma coisa é pedir o reconhecimento de Campeão Brasileiro de 1966 (único título nacional que credenciava a equipe campeã à Libertadores) conquiestado em campo adversário. Outra coias é reivindicar a conquista de um título que perdeu em campo. Pode haver controvérsia, que é até saudável. Mas é como eu penso.

  16. Alan Mendonca disse:

    Quero nem saber..regra existe pa se respeitar. Se nao respeitou passa a taça pra ca!!!vamos rumo abu dabi

  17. Alan Mendonca disse:

    Vamos meu Cruzeiro querido de tradicao!!!Libertadores no tapetao|!!!!

  18. Chaves disse:

    Sugiro marcar novas daras para Cruzeiro x Nacional… Como que jogaremos a primeira em casa. FAzemos o resultado aqui e jogamos de boa e sem pressão o jogo de volta. Vamos Cruzeiro querido de tradição, Libertadores…

  19. simone b de castro disse:

    Papelão é não procurar seus DIREITOS, é ficar passivo diante de situações erradas. É deixar que te façam de trouxa! Pelo que eu entendi, desde as semi o estudiantes fez falcatruas, e tem que pagar por isso! O que aconteceria caso tivéssemos chegado um pouquinho mais atrasados àquele primeiro jogo em La Plata, onde fizeram de tudo para que isso acontecesse?Ora, um campeonato tem REGRAS, e TODOS devem seguí-las! Fazer algo contra elas implica estar FORA!

    • Branchio disse:

      Calma, Simone. Minha opinião é só uma opinião. Que pode, inclusive, estar equivocada. O clube pode pensar diferente. Vamos aguardar.

      • simone b de castro disse:

        Desculpa, Branchio, mas é que fico muito chateada com tanta falcatrua…

      • simone b de castro disse:

        Além do mais, o Cruzeiro se sujeitou a todo tipo de vontades da conmeb…., teve que ignorar a gripe suína em alta lá, teve que engolir o São Paulo passando de fase sem jogar, devido à essa mesma gripe, teve que aguentar as “artimanhas”ridículas dos argentinos, teve que aguentar racismo contra seu jogador, sem que a FIFA tomasse alguma atitude, para depois descobrir que perdeu a taça para um timeco desses, que nem respeita as regras?
        É demais prá mim…

      • Rogério disse:

        A não Simone, racismo de novo não, daqui a pouco começa de nova a guerra entre o JS e os PC’s.

      • simone b de castro disse:

        Rogério, foi só para constar…Acho que o pessoal já esgotou o assunto…rsrsrsrs

      • Branchio disse:

        Simones, ganhar não é tudo. O importante mesmo é “como” ganhar. Nada vai ser mudado, mas está provado que o time argentino venceu de forma ilícita. Se aproveitou da ineficiência e morosidade da FIFA para escalar um atleta de forma irregular. No mais, prefiro esquecer o assunto.

      • Branchio disse:

        Simone, ganhar não é tudo. O importante mesmo é “como” ganhar. Nada vai ser mudado, mas está provado que o time argentino venceu de forma ilícita. Se aproveitou da ineficiência e morosidade da FIFA para escalar um atleta de forma irregular. No mais, prefiro esquecer o assunto.

    • Dylan disse:

      Simone, acho que título ganho no tapetão poderia acarretar é gozação em cima de gente. Durante anos eu tirei sarro dos atleticanos por causa daquela carreata armada na final do Mineiro de 84 quando eles tentaram nos tirar o título no grito. Melhor deixar isto quieto.

      • simone b de castro disse:

        Dylan, nem falo em tapetão. Talvez outro jogo entre nós e o time do Uruguai, sei lá! Eu não tô nem aí para zuação de atleticano, desde que se tenham motivos verdadeiros para buscar a justiça! E não me conformo em termos nos sujeitado a todas as regras, e quem é “campeão” é o time espertalhão…

  20. simone b de castro disse:

    O Cruzeiro e os outros times foram feitos de trouxas por um time que “por acaso”ganhou a Copa! Alguém acha isso justo? Um jogador somente pode fazer a diferença para o time, e além do mais, burlaram as leis!

  21. Alan Mendonca disse:

    Vou providenciar a compra de foguetes e cerveja.. o trio eletrico Walfrido ja tem!Vamos festejar!!!! Quem quiser ir a Abu Dhabi precisa apressar pra conseguir passagens, a china azul vai invadir o oriente!!

    • Damas disse:

      Alan: Compre a passagem com escala na Alemanha. Lá, o Wall arruma um restaurante granfino e a turma faz uma concentração pré-jogo. É tiro e queda!!!!

  22. roliveira.roa disse:

    Justiça!!!!
    Que façam novo jogo ou que herdemos o título!!!!
    Estudiantes!!! Malditos!!!

  23. Frede disse:

    Maldita comenbol… malditos estudantes.

  24. HB disse:

    Essa m… de noticia foi plantada por atleticanos. As VERONicas querem reviver o dia 15.07!!

  25. Já somos TRI morais. Que a Conmebol nos dê a taça.

  26. Flavio Carneiro disse:

    Para mim, o Sorin se transformou num ídolo da torcida estrelada muito mais por suas atitudes dentro e fora de campo do que propriamente por sua técnica (que também é inegável). A forma como ele sempre defendeu o clube cativou a todos os Cruzeirenses. Ele jogava com o coração e é exatamente assim que nós torcemos, por isso tamanha identificação. Fora de campo o Sorin também sempre honrou nossas cores e foi um grande profissional. Ele jamais precisou beijar o escudo do clube, como fazem a maioria dos jogadores, para provar o seu amor pelo nosso querido Cruzeiro EC, suas atitudes deixavam isso claro. O Sorin certamente não foi o melhor jogador a vestir o manto azul, mas seguramente foi o jogador que fez isso com mais amor, garra e compromisso. Obrigado Sorin, eternamente!

  27. Rogerio Izidorio disse:

    Se um atleta ganha uma medalha de ouro e depois ele é pego no anti doping, ele perde a medalha que é entregue para o segundo colocado. E ninguem questiona se o segundo mereceu ou não. Entao, na minha opinião, o Cruzeiro deveria sim correr atrás do prejuízo.

  28. Naldo disse:

    O Olimpyque da França levou a Copa dos Campeões, mas quem foi disputar o Mundial foi o Milan, que acabou perdendo para o São Paulo. Eu acho que a melhor punição, é mandar o CEC disputar o Mundial e ganhar. Libertadores já temos 2, só nos falta o Mundial.

  29. Naldo disse:

    Parabens Fred! De presente, uma vitória domingo contra o Sport.

  30. Declaro oficialmente que agora defendo o “espírito soriniano”. É uma mescla rara de bravura e técnica, dignidade e simplicidade. pensamento e coração, lealdade e limite. O ar novo que passou ele com Sol, arejando as almas cruzeirenses, perdurará. Foi um acontecimento histórico na vida do Manto Azul. SAUDAÇÕES CELESTES

  31. Beth Makennel disse:

    Maravilhosa festa. O Sorin fez por merecer. E que a apretir de agora seja regara geral o Cruzeiro fazer jogo de despedida de sus grandes ídolos em final de carreira.

  32. Beth Makennel disse:

    Também sou a favor que o Cruzeiro corra atrás desta conquista. Se o Estudientes jogou com jogador irregular, além de o Veron ter jogado dopado (na minha opinião), e juíz comprado pelo studientes, comebol e pateticanos (o que dizem por ai), penso que se for cancelado o jogo e der outra oportunidade ao Cruzeiro, ele será o grande campeão. Tem que pedir exames anti-doping a todo o time da argentina e que seja um juíz das europas. Eu quero muito ver cancelado este jogo e ficarei imensamente feliz com meu Cruzeiro disputando o mundial inter-clubes e desta vez, ganhando. Tenho fé! Farei a maior festa de minha vida.

  33. Jorge Santana disse:

    Depois do Expresso do Oriente, vem aí o Trio-elétrico do Oriente. Me incluam fora dele.