24ª do Brasileiro: Pé-de-coelho salvou Ceni

Por SÍNDICO | Em 7 de setembro de 2007

Foram 27 gols, média de 2,7 por jogo.

O público foi de 117.669 (15.000 do Governo PE, ou seja, 13%). Média de 11.767 por jogo.

Havia 472.500 lugares disponíveis nos estádios. A ocupação foi de 25%.

  1. Paraná 2 x 4 Náutico, Durival de Brito (16.000) – 2.860 pagantes – Se os paranistas bobearem, Lori Sandri conseguirá rebaixar dois times num só campeonato.
  2. Santos 2 x 1 Inter, Vila Belmiro (25.000) – 3.233 pagantes – O Santos está no G4, mas sua torcida continua no Z4.
  3. Goiás 2 x 3 Atlético, Serra Dourada (54.000) – 3.456 pagantes – Na terra do Odair José, Ney Franco cantou na preleção: “Eu vou tirar você deste lugar…” Funcionou. O CAP saiu da zona.
  4. Botafogo 1 x 1 Palmeiras, Maracanã (95.000) – 8.634 pagantes – Não fosse a má pontaria do centroavante Dodô, o esganiçado gerente de futebol da SEP estaria chutando portas e dando piti até agora.
  5. Juventude 1 x 0 Cruzeiro, Alfredo Jaconi (23.000) – 10.138 pagantes, 11.169 presentes – Se o Juventude escapar do rebaixamento, terá sido pela benemerência do Cruzeiro que lhe entregou, na bandeja, 6 pontos.
  6. Flamengo 4 x 1 Figueirense, Maracanã (95.000) – 11.263 pagantes – Flamengos andam viciados nos caldos da Nestlé. Sem eles, preferem ficar em casa mesmo.
  7. Atlético-MG 0 x 0 São Paulo, Mineirão (76.000) – 16.118 pagantes, 18.586 presentes – Num jogo com mais de meia centena de faltas, o time local teve a chance de bater pênalti aos 47 do 2º tempo. E se borrou.
  8. Grêmio 3 x 1 Vasco, Olímpico (51.000) – 18.147 pagantes – Depois dessa, o Sancho resolveu trocar Punta del Leste por Beagá neste feriadão.
  9. Corinthians 1 x 0 América, Pacaembu (40.000) – 18.445 pagantes – Bastou uma vitória, pra Fiel se entusiasmar. Chega a comover.
  10. Sport 0 x 2 Fluminense, Ilha do Retiro (50.000) – 25.375 pagantes (15.000 do programa Todos Com a Nota) – A continuar assim, o tricolor deve pedir a ampliação da pena que o STJD aplicou no Renato Gaúcho.

Capacidade total dos estádios: 525.000. Descontando 10% por segurança: 472.500.

Fontes: Itatiaia, Estadão, CBF

28 comentários para “24ª do Brasileiro: Pé-de-coelho salvou Ceni”

  1. Rodrigo Gomes disse:

    Juro que torci alucinadamente pro Botafogo hoje só pra ver se o gerente do Palmeiras iria dar chilique de novo.

  2. Jorge Santana disse:

    Eu tb, Gomes.

    O cara é divertido.

    Já pensou, outra coletiva daquelas que ele deu no Mineirão?

    O futebol precisa de caras engraçados. E a figurinha é do tipo que arranca risos da platéia.

    Longa vida a ele. Mas lá na SEP!

    Abs,
    JS

  3. Ernesto Araujo disse:

    JotaEsse, estou gostando dessa análise estatística do público.
    Pelos dois últimos posts, dá pra entender que a capacidade ocupada dos estádios é o dobro da quarta-feira, se não estou enganado.

    Pena que esse dobro é apenas cerca de 50%….E como o poder aquisitivo do público do futebol é baixo, 50% no fim de semana e 25% no meio com os preços de ingresso que temos, não há clube que aguente…

  4. Franklin Bronzo disse:

    Contando a Segundona, ano passado, e a Divisão de Elite, este ano, o pênalti dado ontem a favor do time de Vespasiano deve ter sido, por baixo, o de n°… 25, ou 30. No mesmo período, se deram 4 pênaltis a favor do Cruzeiro foi muito. Aliás, penso que nos cursos de atualização de regras a que os árbitros são submetidos, deve haver a seguinte lição : “Pênalti deve ser marcado a favor do time cujo adversário : 1. comete falta dentro da grande área; 2. pôe a mão na bola dentro da grande área. A menos que o time beneficiado seja o Cruzeiro. Revogam-se as disposições em contrário”.

  5. Jorge Santana disse:

    Ernesto, há muito tempo, os clubes vivem de bicos, não da renda dos jogos. Mas poderiam tirar mais das bilheterias se soubessem tratar bem o público. E se o público quisesse ser bem tratado, tem isto tb.

    Os feqüentadores do Mineirão, por exemplo, preferem ser tratados como porcos. Gostam de comer tropeiro de 10ª qualidade, com colheres de plástico, e, depois, jogar os restos no chão ou nas cadeiras. E porcarias até maiores.

    De qq fporma, é interessante monitorar o interesse do público pelo campeonato. Pelo campeonato “só de clássicos”. Ou pelo “melhor campeonato do mundo” como certa imprensa quer vendê-lo.

    Estou tentando entender como é que um Uberaba x Formiga leva 20 mil pessoas ao Uberabão e um Santos x Inter leva apenas 3 mil à Vila Belmiro.

    Vc tem alguma explicação?

    Vamos continuar nessa de preço de ingressos? A classe média brasileira deve ser bem maior do que toda a população da Argentina. Ou da Espanha. Por que esses amantes do futebol não acompanham seus times?

    Meu palpite: o campeonato é burro, desenxabido, tolo, óbvio.

    Abs,
    JS

  6. Tem algumas coisas que não são percebidas facilmente.

    A dificuldade de alguém (comentarista, torcedor, corneteiro, palpiteiro, cartola etc etc etc) mudar de opinião ou se dar por vencido é uma delas.

    O tal de “tenho opinião formada” ou “sustendo minha opinião” já foram retratadas na história do sapo que carregou um elefante nas costas.

    Aqui não poderia ser diferente.

    Mesmo que o campeonato mude, que os FATOS se apresentem com nuances DIFERENTES, não interessa. Prevalece sempre o “…não me venham com fatos que tenho opinião formada…”

    Mas é isso mesmo… todos cheios de razão e todos técnicos/comentaristas de futebol.

    Mas uma maldição vai se confirmando…

    Times que provocam dificuldades para o Cruzeiro (basta rememorar as edições anteriores do brasileiro) e que nos tiram chances de títulos, vão, INVARIAVELMENTE, parar na segundona (alguns na terceirona e até fora dela)…

    União São João, Bragantino, América-RN, Santa Cruz, Atlético-MG, e vários outros…

    Neste ano, o Paraná nos deu trabalho. Tá facilitando. O Juventude é outro.
    Querem nos atrapalhar? Então tá. Fica o aviso.

  7. Sanjorge,

    Sobre esta sua insistente e renitente teoria dos públicos, ainda vai chegar a alguma conclusão, tenho certeza.

    Mas queria que você esclarecesse um assunto sobre o tema.

    Vc considera os ingressos da Nestlé como qual categoria? Estes não são ingressos que o time deva contabilizar no seu caixa? Por que?
    Qual o motivo que o leva a ignorar o valor REAL pago pela mutinacional aos TIMES. Porque menosprezar publicos advindos desta promoção? Será que o valor pago pela empresa aos clubes não deve ser contabilizado como “receita de bilheteria”?

    Só quero entender a lógica e enquadramento da referida receita na sua linha de raciocínio.

  8. Uma outra coisa bastante interessante que difere da visão/opinião comum.

    Pode uma rodada em que vencemos ser considerada PIOR (em termos de resultados gerais) do que outra rodada em que perdemos???

    Na rodada mais recente (não falo nem em número pois estamos com um jogo a menos) perdemos para o Juventude fora de casa, sendo que o adversário está na linha de rebaixamento.

    Na rodada anterior ganhamos de goleada e de maneira indiscutível de um adversário direto na disputa do título e vaga na Libertadores.

    Qual rodada foi pior? qual foi melhor olhando para toda a competição?

  9. Jorge Santana disse:

    Evandro, os ingressos Nestlé eos do Governo PE estão contabilizados no público pagante. Confira, o texto, por favor. Abs, JS

  10. Sanjorge,

    Eu confiro. Todas as vêzes, mas parece que você não entendeu.
    Então eu explico. Só espero que não faça como outros aí que lêem, não entendem e ainda cismam de não reler.
    Vamos lá.

    Vc escreve: “…há muito tempo, os clubes vivem de bicos, não da renda dos jogos…”
    Eu perguntei se você considera RENDA DOS JOGOS o valor que a Nestlé dá aos clubes pela COMPRA dos ingressos – que no caso de Cruzeiro x Grêmio foram esgotados.
    Entendeu a pergunta? Entendeu a minha dúvida? É só responder se considera OU NÃO. E se não considera, por que.

    Ainda segundo sua opinião: “…Os feqüentadores do Mineirão, por exemplo, preferem ser tratados como porcos. Gostam de comer tropeiro de 10ª qualidade, com colheres de plástico, e, depois, jogar os restos no chão ou nas cadeiras. E porcarias até maiores….”
    Eu pergunto, você faz isso também? EU não faço. Então você diz que isso é maioria, minoria, uma parte. Qual a intenção ao GENERALIZAR sobre “os frequentadores do Mineirão”? A maioria ABSURDA que conheço NÃO FAZ o que vc descreve (FATO na minha opinião), mas este argumento (será?) serve para justificar toda uma opinião e conclusão. C’est la vie.

    E para finalizar. Tudo isso (este arcabuçode argumentos que você coloca é só para mostrar que o campeonato brasileiro é como você diz, um “morrinhão” e que devemos ter sempre clássicos “do oeste bravio” como Uberaba x Formiga ao invés de Cruzeiro e times de menor expressão em Minas Gerais? É assim que você julga que o futebol brasileiro vai sobreviver frente ao futebol nacional e internacional?

  11. Paulo Sanchotene, RS disse:

    Não fui tão longe, Santana. Estou em Rivera. Só passei a fronteira…

  12. Jorge Santana disse:

    Evandro:

    1. Da próxima vez, faça perguntas claras.

    2. É renda, obviamente.

    3. Não como aquela porcaria. A maioria come e emporcalha o estádio. E mais: a maioria pisa nas cadeiras, muitos urinam nas paredes etc.

    4. Vc tirou conclusões equivocadas. Já expliquei meu ponto de vista dezenas de vezes. Agora, estou com preguiça de repetir o assunto, portanto, pode se manter suas interpretações sem problema algum.

    Abs,
    JS

  13. Bruno Macedo disse:

    Jorge,

    Vc tem que começar a frequentar as cadeiras laterais para entender o que é sujeira.
    Sentar na cadeira é só para quem foi disposto a lambujar a calça de sujeira.
    Banheiro no Mineirao eu nem sei pra que serve. O de mulheres é frequentemente usado por homens e o de homens só para os mais corajosos e calçados com botas sete léguas. As escadas de acesso ao setor sempre estao todos cheias de mijo.
    Pra ser sincero, qualquer ser racional nao levaria a namorada para acompanhá-los em jogos com esse povo tao educado. Eu levo a minha, mas eu nao sou racional quando o assunto é futebol.

  14. BMacedo,

    Se o Sanjorge já reclama, acusa, e fica indignado, não frequentando as laterais, imagina se ele se arvorasse por aqueles lados…

  15. Bruno Macedo disse:

    O problema é que o sujoes nao sao muitos, sao poucos, mas que fazem um estrago danado.
    Quando eu ia pro mineirao com amigos, nem reparava na sujeira.
    Depois que comecei a levar a namorada, aí nao teve jeito de nao reparar. Olho de mulher é clinico para esses assuntos de sujeira.

    Eu só fiquei uma vez na setor de cadeira central. Foi no jogo desse ano contra o vasco. Aquilo é o paraíso pra quem quer conforto. O Bar nao tem fila, todo mundo fica sentado, pedem licença para passar, as mulheres gostosas passam para lá e para cá e ninguém grita Eu vô! Eu vô! Eu vô!

    Eu gostei de assistit de lá, tem menos emocao coletiva, é verdade, mas o quesito visao do jogo influencia muito, ainda mais para quem nao enxerga bem igual mim. Contudo, esse conforto tem o seu preço!

  16. Jorge Santana disse:

    Bruno e Evandro:

    Já assisti a jogos em todos os setores do Mineirão, cadeiras inferiores e Máfia Azul, incluídos. Até no meio dos emplumados, num dia em que não cabia mais ninguém na torcida do Cruzeiro.

    O melhor público que encontrei, até hoje, no estádio foi o da Geral. Em tempos idos, é claro. Para lá, iam os torcedores que gostavam de futebol, mas não tinham grana, e, por isso, não podiam ficar nos lugares maiscaros. estes, sim, freqüentados pelos arrogantes e imbecis de classe média.

    Hoje em dia, a Geral tb está avacalhada.

    O público do Mineirão é essencialmente mal educado. Em nenhum evento do mundo, se vê tantos porcos e boçais juntos.

    Abs, JS

  17. foxceleste disse:

    Porra jorge ja nao chega a classe media ter que sustentar essa merda de brasil e ainda tem que escutar uma dessa!! essa pobraiada pq nao tem dinehrio para pagar impostos e fica comendo de graça sem trabalhar e agora estudando em escola particular de graça e com cotas na federal, alem disso ter que sustentar os ricos que tambem nao pagam impostos,, porque sera?

  18. Jorge Santana disse:

    Peguei pesado, mesmo, vc tem razão, Fox. “Inclua-se fora desta”, então. Abs, JS

  19. Nuuuu.

    Agora o torcedor que vai ao estádio é que sustenta o time e não merece ser maltratado.

    Virou circo!

  20. Dylan disse:

    Eu sou obrigado a concordar…tem muita segurança pra entrar no estádo e lá dentro um nojo geral, aquele tropeiro empesta o estádio todo, eu olho e já fico com náusea. Os corredores são uma sujeira. Eu até podia pensar que privatização seria uma solução boa, mas no fundo é um tiro no escuro. Na geral eu nem sei,mas lá em cima junto com o povo que pode pagar 20 paus pra ver um jogo a falta de educação é generalizada.

  21. Em todo caso, acho que estamos começando a mudar algumas coisas e o panorama é promissor para este torcedor-sugismundo que tem oposição do torcedor-ideal que é óbvio devem ser imagem e semelhança do ideário dominante.

    O torcedor de organizada é bandido, o torcedor de arquibancada é pobre, mal educado e boçal (exceto algumas avis raras que querem torcida ao seu modo e semelhança (agora entendo os defensores do estádio do Cruzeiro LONGE da cidade de BH e com preços estratosféricos – teremos público ou precisaremos de achocolatados?)

    Mas luzes podem se acender no fim do túnel.

    Vejam que interessante enquanto eu postava algo parecido aqui:
    http://www.cruzeiro.org/noticia.php?id=29733

    E mais interessante ainda… o Reinaldo foi pagar a tal aposta hoje no CT II, aí se meteu a falar asneira. Disse para o Sandro que se quisesse se recuperar teria que ir para o DM dos cacarejantes. Curioso é que parece que ele se esqueceu como encerrou a sua carreira prematuramente. Talvez prefira atribuir somente aos zagueiros adversários e livrar a cara de quem fez cirurgias por atacado nele.
    O mais interessante é que o repórter fez questão de lembrá-lo de um certo jogo que ele fez com a camisa do Cruzeiro, e inclusive citou detalhes que só poderiam ser vistos em:
    http://www.jogosimortais.com.br/blog/index.php?id=6

    Que curioso!

  22. Arisio Jr. disse:

    Tambem ja assisti jogo em tudo que e lugar no mineirao. Mas, ultimamente, pago um pouco mais para ter um minimo de seguranca nas cativas. Tem cada peca nas arquibancadas que nao sei se vejo o jogo ou me garanto.

  23. Flavio Carneiro disse:

    Eu sempre defendi ingressos a preços populares e a abertura da geral nos jogos do Cruzeiro. Mais importante do que a renda que esses ingressos proporcionam (pequena, por sinal) é o fato de levar o público ao estádio, o que certamente contribui para a consolidação e crescimento da torcida.

    Portanto, no meu modo de ver, essa promoção da Nestlé vale não apenas pela receita que ela proporciona ao clube, mas também por levar mais público ao estádio e, assim, ajudar no crescimento de nossa torcida. Acredito que o ganho indireto seja mais importante do que o ganho direto dessa ação.

  24. Recentemente num evento ai em BHz tive o prazer de reencontrar um amigo que coincidentemente trabalhou com o “patrono” deste espaço azul da internet.
    E ele me confidenciou um fato que apenas confirma o que disse o JS acima.
    Ele (Santana) realmente assiste o jogo em vários espaços do Mineirão. Sempre prá onde o Cruzeiro ataca.
    Num e-mail lhe perguntei sobre a veracidade do relatado.
    E o Santana me disse que o motivo prá tal atitude era prá fugir da defesa celeste, na época a segunda pior do campeonato.
    Estou pensando ir ao Mineirão amanhã.
    Se me verem na barraca do Loirinho com um cobertor não se assustem
    É prá espantar o pé-de-freezer…

  25. JElias,

    Que o Sanjorge vê os jogos pertim do ataque do Cruzeiro é FATO. MAS os motivos são de conhecimento da galera.

    A idade afetou as vistas do Sanjorge e só lhe permitem ver os jogos DE pertim…. e do ataque.

    ou você acreditou que Sanjorge vê os jogos da Geral? Acreditou que ele vê os jogos de todos os lugares do estádio?

    Só vc mesmo. No maximo das especiais do lado que o Cruzeiro ataca…. e zefini.

  26. Arthur disse:

    Já assisti jogos de todos os lugares, menos na torcida kkrejante, e realmente tem ficado CADA VEZ mais dificil o acesso ao público feminino, que aliás sempre matou de inveja o lado escuro da pampulha! Esse negócio das ponponetes é pura enganação. De longe e por muito tempo a nossa torcida feminina de futebol sempre foi expressiva! Porém, fica complicado levar nossa família (mulher-e-filhos) qdo a falta-de-educação impera. Porém, deve-se frisar e discordo com FORÇA dos ditos “torcedores de classe média”, falta de educação NÃO é questão de poder material e nem de escolaridade! Tem MUITA gente pobre da geraldina que DEMONSTRA MAIS EDUCAÇÃO E RESPEITO que a tchurma abastada e culturalmente mais rica, que INFELIZMENTE se comporta muitas vezes da pior forma possível!

    Aquela idéia de que o estádio é um chiqueiro, é mais própria daqueles que pensando ASSIM agem como se fosse, e outros que não PENSAM e NEM AGEM assim, muitas vezes são os “acusados sem prova”, são apenas “bodes-expiatórios”!

    Se os banheiros tivessem roleta, gente fazendo a limpeza por dentro, entrada limitada e fosse PAGO, qual é nas estações rodoviárias, a coisa não mudaria?

    Se o indivíduo promovendo baderna: jogando comida, bebida (de qualquer espécie), mijando e outros fora do local que condiz, fosse colocado IMEDIATAMENTE fora do ESTÁDIO, autuado e forçado a 2 semanas de trabalho comunitário, ele iria repetir o feito???

    para acabar com as BANDEIRAS, com as CERVEJAS, com tanta coisa tem LEIS e POLICIAMENTO, não acabam com o CHIQUEIRO porque não querem! jeito, tem!

  27. Tem jeito sim.
    É só botar câmeras escondidas no estádio e uma lei clara. Quem dilapidar o patrimônio será condenado a prestar serviços comunitários. Como por exemplo : Limpar os banheiros públicos dos jogos após os mesmos durante XX semanas. E fazer cumprir seja quem for.
    O investimento é baixo e o retorno iria ser enorme, pois, não se teria gasto com limpeza e o cidadão que se acha no direito de fazer merda, não ficaria impune.
    Mas, com certeza, vão aparecer idéias melhores por aqui (rs, rs, rs…). vào me chamar de filhote da ditadura e coisas afins. Mas, é o que penso – Chiabi

  28. João…
    Pior que funciona.
    Vcs viram recentemente nos EUA o cantor (?) Boy George e a modelo Naomi Campbell limpando rua?
    Pois é… lá funciona, pois a lei é igual prá todo mundo, doa a quem doer.
    Aqui a coisa funciona na base do “Vc sabe com quem tá falando” e o mau exemplo vindo lá de cima, nas altas esferas.
    E tome impunidade!!!
    Como já foi dito em outro post, TUDO passa pela educação.
    Querer o que de uma pessoa que vai ao campo prá brigar e tem no futebol o motivo prá extravasar sua ira?

Deixe um comentário

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.